Chega de Acordos Venenosos

Sadhguru observa como a devoção é uma ferramenta para que se passe de uma criatura nessa criação para a própria mão do divino.
 

Sadhguru observa como  a devoção é uma ferramenta para que se passe de uma criatura nessa criação para a própria mão do divino. Infelizmente, a maioria das pessoas pensam que devoção é sobre “acordos” com o divino. Sadhguru explica por que tentar fazer acordos com a fonte da criação não é uma coisa inteligente a se fazer.


Transcrição Completa:

Sadhguru: Devoção significa uma ferramenta para se demolir, uma ferramenta para destruir suas intenções, suas visões, seus sonhos, para que você não se torne uma criatura pequena, uma criaturinha sem nome neste cosmos..., mas que você se torne a própria mão do Divino. A devoção não é um acordo que você faz. Há muita coisa acontecendo em nome da devoção. Fazedores de acordos e devotos são duas pessoas diferentes. Um pertence ao mercado; outro pertence ao Divino. São dois mundos diferentes. Você precisa entender isso, no momento em que você se senta para fazer um acordo, é o dharma de um acordo, que você deve fazer o seu melhor para ser mais inteligente do que o outro. Não? Você não quer fazer um negócio burro, quer? Quando você se senta para fazer um acordo, você quer ser mais esperto do que o outro. Se você tomar essa atitude com o Divino, você perdeu antes de começar. Você se senta com a Existência assim, você se senta com seu Guru assim, perdeu mesmo antes de começar, você não precisa correr a corrida, de qualquer forma, perdeu. Você não pode ganhar, porque o objetivo mais fundamental foi derrotado, e agora?

Então, não perca o tremendo poder da devoção, por causa de um negócio estúpido que você tem na sua cabeça. O que você pode pedir? Que tipo de negócio você pode fazer com a criação e o Criador? Apenas um negócio burro, porque você não sabe que possibilidade o cosmos detém. Você só conhece as pequenas bobagens que experimentou em sua vida. Se - se, se, se - você estiver em contato com uma energia, pelo menos você está na presença de uma energia, que é a fonte da criação, e você pede: "Eu quero conseguir um emprego, eu quero me casar”, quão estúpido você pode ser? Você não sabe o que ele detém. Não é melhor: "Faça o que quiser comigo", hum? Se você encontrou em contato, não é melhor deixar a [decisão] para a fonte de criação, 'Faça o que quiser comigo'? “Não, não me dê-me um emprego ... Quero in ... Eu quero incremento ... Eu quero uma promoção”. Oh meu Deus, não faça isso com você mesmo. Se, em qualquer momento, você se encontrar na presença de algo que parece ser maior do que você, em algum contexto, esse é um momento em que você não tenta fazer um acordo. Apenas cale a boca e fique quieto. Só observe como você pode receber, então isso é devoção. Que você entende que se tornar a mão do Divino é uma possibilidade muito maior do que fazer um acordo, por maior que pareça ser o negócio que está na sua cabeça.

Então promoções e negócios sempre acontecem. Em todos os lugares, com a vida e a morte, os negócios estão acontecendo. Do negócio à devoção, é uma transformação. É como, 'Se eu lhe der de sujeira, você me dará algo perfumado e maravilhoso?' Não! Se eu lhe deixar imundície, você vai querer me dar mais imundície, mas veja como funciona a criação. Se você der a esta árvore lixo, ela lhe dará flores, não é? Este é o caminho do Divino. Se você se tornar, se você realmente se tornar um devoto, você se torna a mão do Divino, e assim será. Tudo o que for lançado em você é nutritivo. O que quer que venha ao seu encontro é maravilhoso para você, porque o que quer que seja, você sabe como transformá-lo em algo bonito. Isso é devoção. Acordo significa, você deseja obter as flores, você quer dar a imundície a outra pessoa. Se você fizer esse acordo, depois disso você será excluído, não é? Você será excluído de qualquer grupo de pessoas, ou, em última análise, você será excluído da forma como a criação está acontecendo. Quando dizemos yoga, estamos falando de uma união. Uma união significa que você não existe aqui como uma criatura sozinha. Você existe aqui como parte do divino. Você existe aqui como parte da criação e do Criador, para que você se torne um com tudo. Que você não é uma pequena criatura rastejante que sai por aí fazendo suas próprias coisas, mas a ideia toda, a ideia juvenil da liberdade é que você quer fazer suas próprias coisas, não é?

 

Uma ideia errada, uma emoção errada, pode causar muito mais dor e muito mais dano que o veneno. Então, é por isso que Asatoma Sadgamaya, Asatoma ... 'Sadhguru, eu já disse isso' 'Não, não, você deve dizer a cada momento da sua vida.' Todo momento de sua vida, essa é a jornada em que você está passando da mentira para a verdade. Caso contrário, o que não é verdadeiro pode ser feito parecer verdadeiro em sua mente. Uma vez que você torna a mentira numa verdade em sua mente, então, essa mentira envenenará a maneira como você existe. Então você se pergunta por que o sofrimento está vindo em busca de você. Bem, está obrigado a ser assim. De outra forma, se isso não acontecer, isso significa que minha vida falhou. O sofrimento deve vir se você estiver fazendo as coisas erradas, não é? Alguém com muito cuidado subiu a árvore, outro tolo tentou subir correndo e caiu. Se nada lhe acontecer, aquele que tem a habilidade de escalar é um idiota, não é? Sim ou não? Não? É assim, não é? Aquele que prestou atenção, alguém que tomou o cuidado de adquirir a habilidade necessária para fazer algo de forma adequada, se para ele e um tolo que não tenha prestado atenção a nada acontecer tudo da mesma maneira, então o homem que prestou atenção a tudo é um tolo, não é? Então não sou realmente contra o sofrimento. É meu desejo que você não deva sofrer, mas se você é estúpido e quer fazer coisas idiotas para si mesmo, você deve sofrer, porque só se o sofrimento chegar, você vai parar de fazer coisas estúpidas. Suponha ... suponha que você, você tem uma ferida que está secando, você quer [cutucar]... Se for suficientemente profundo, quando dói, você para. Suponha que não doeu, você tiraria os intestinos. Sim? Não se subestime. Se realmente não houvesse dor em seu corpo... Enquanto você se senta no sathsang, você [assopra] -sabe como você sopra chiclete -, você explodiria seus pulmões para me mostrar o tamanho dos pulmões que você tem. Sim, você faria. Não ... não se subestime, não subestime sua própria estupidez. Se outra pessoa estiver fazendo outra coisa, para você causar uma impressão, você vai pegar seus intestinos e (os exibiria) ... [mas] porque se você apenas tocá-lo com um alfinete, dói tanto (que você para).

 

Onde quer que você não conheça a dor, você não conhece a dor de uma árvore, você não conhece a dor de um animal, você não conhece a dor de outras coisas, todas essas coisas que você está cortando, cortando, cortando, não é? Somente este corpo você conhece, então você o está preservando. Então está tudo bem, você está indo bem. Pelo menos você sabe disso. Só tem que se expandir, só isso. Agora, porque você conhece a dor do que é isso, você está mantendo isso bem. Se você começar a sentir a dor da montanha, você manteria a montanha bem. Se você entender a dor do cosmos, você manteria tudo bem, não é? Isso é o que a yoga significa - união, que tudo se tornou parte de você, e a devoção é essa dimensão, que irá obliterar os limites entre o que você é o que não é você, sem esforço.

 
 
 
 
  0 Comments
 
 
Login / to join the conversation1