23 Dias na selva: quando Sadhguru fez uma caminhada pela mata até Nagarhole.

Sadhguru olha para essa incrível jornada em sua vida, quando passou 23 dias caminhando pelas florestas de Karnataka.
23 Days in the Jungle: When Sadhguru Trekked From Nagarhole
 

A Semana da Vida Selvagem é celebrada na Índia entre os dias 2 e 8 de outubro de cada ano, a fim de disseminar a conscientização sobre a importância do meio ambiente e o status dos esforços pela conservação. Neste artigo, Sadhguru recorda uma incrível jornada em sua vida, quando passou 23 dias viajando pelas florestas de Karnataka.

Sadhguru: Muitos anos atrás, eu decidi partir em uma expedição de Gopalaswami Betta para Nagarhole, que é uma extensão de florestas em Karnataka. Este é o país de elefantes e tigres, bem como a terra da cobra-rei. Eu queria andar por esta floresta para ver tigres, e este é o lugar na Índia para isso.

Eu preparei um pouco de comida e parti. Eu subi em todas as árvores que vi e nadei em cada poço de água. Eu comia muito naqueles dias, fazendo tudo isso e andando muito, fiquei sem comida depois de quatro dias. Depois disso, eu apenas comia da floresta – todos os tipos de coisas – principalmente mel, frutas, cupins e abelhas.

Mesmo agora, com apenas o pensamento daqueles 23 dias, o planeta literalmente zumbe através de mim. É muito difícil explicar o que é.

Em algum lugar ao longo do caminho, em uma das áreas espinhosas, metade da minha camisa foi rasgada e eu tive que andar o resto do caminho com apenas meia camisa. Eu não queria desistir dessa meia camisa, você não sabe onde isso pode ser útil! Eu não tinha uma lanterna porque, naqueles dias, uma lanterna era um mecanismo muito complicado! Na minha casa, havia apenas uma lanterna Eveready que era mantida de cabeça para baixo e aberta, com quatro células de bateria próximas a ela, caso a energia fosse desligada. Só meu pai sabia como lidar com isso. Então eu não tinha lanterna e minha caixa de fósforos ficou toda molhada e destruída na chuva.

Eu apenas andei assim por 23 dias e vi todos os tipos de vida selvagem de perto – tigres, elefantes e búfalos. Mas quando eu saí e olhei para trás, o que teve o maior impacto na minha vida naqueles 23 dias sozinho na floresta foram os insetos. À noite, eles começavam com sua sinfonia e eu observava, um grupo deles começa exatamente em um determinado momento, na hora certa. Então parava e o próximo grupo começava. Eu não sei como eles estavam se comunicando ou sincronizando, mas isso estava acontecendo muito propositalmente todos os dias. Meu relógio era a única coisa que me restava, para poder verificar a hora. Eu andei por cerca de 23 dias e perdi muito peso, mas foi o momento mais incrível da minha vida.

Mesmo agora, com apenas o pensamento daqueles 23 dias, o planeta literalmente zumbe através de mim. É muito difícil explicar o que é. Já fiz muitas outras caminhadas, mas na maioria das vezes por dois ou três dias antes de chegar a uma aldeia ou a alguma habitação humana. Mas durante esses 23 dias, nunca vi um rosto humano ou uma luz ou qualquer coisa. O próprio planeta bate dentro do meu coração quando penso nisso. Se alguém experimenta isso, sua própria perspectiva de vida mudará.

Sobrevivência é a menor preocupação

Mais tarde, meu pai costumava sempre se preocupar: “Oh! O que vai acontecer com esse garoto! Ele não está qualificado para nada.” A ideia de qualificação do meu pai é que você deve se tornar médico ou engenheiro. E eu dizia a ele: “Se não posso fazer mais nada, se nada me interessa, vou para a selva. Eu sei viver lá.”

Os seres humanos estão apenas vivendo sem experimentar o próprio planeta, sem conhecer a beleza, a complexidade e a sofisticação com que tudo está acontecendo.

Os seres humanos estão apenas vivendo sem experimentar o próprio planeta, sem conhecer a beleza, a complexidade e a sofisticação com que tudo está acontecendo. Infelizmente, pensamos que apenas estar à frente de outra pessoa é o que importa. Mas a inteligência humana é capaz de fazer a vida em qualquer lugar. Sobrevivência deve ser a menor das preocupações quando seu cérebro floresceu tão grande.

Neste momento, nossos sistemas educacionais são projetados para produzir engrenagens para a máquina que já construímos – nosso motor econômico: uma máquina desastrosa que está  destruindo todo o planeta. Chegamos a um nível de tecnologia onde, pela primeira vez na história da humanidade, se você for a uma loja e tiver dinheiro, pode comprar o que precisar para o próximo ano sem precisar sair da sua casa. Isso nunca foi possível antes, mas é possível agora. Todos os dias, por milhares de anos, se você quisesse água, teria que carregar sua panela e sair. Mesmo agora, ainda é a mesma situação para muitos no mundo, mas para um grande número de pessoas, sua sobrevivência é organizada de uma forma que eles não precisam se preocupar muito com isso.

Pensando em mais elevadas possibilidades

Uma vez que a sobrevivência está organizada, é hora de pensar em possibilidades mais elevadas. É hora de procurar uma maior saída da vida, e não investir toda a sua vida e a vida de seus filhos apenas na sobrevivência. A vida humana não termina com a sobrevivência; a vida humana só começa quando a sobrevivência é cuidada. Infelizmente, a maioria das pessoas prefere complicar sua sobrevivência. Queremos tornar o processo tão complexo que passaremos o resto da nossa vida lutando pela sobrevivência. Quando você não tem nada para comer, você acha que uma refeição por dia é a sobrevivência. Quando você faz uma refeição, pensa em duas refeições, quando tem duas, pensa em cinco e agora pensa que, a menos que tenha um Rolls Royce, não está nem sobrevivendo.

É muito importante que você simplifique seu processo de sobrevivência para que as dimensões mais profundas de quem você é encontre expressão em sua vida. Um ser humano deve descobrir o que significa simplesmente sentar e reverberar como um pedaço da vida, porque esse é o êxtase máximo de se estar aqui. As pessoas chegaram à conclusão de que um ser humano significa um nada miserável e inútil. Quando você usa a expressão “Oh, eu sou apenas humano”, geralmente significa “eu sou apenas um disparate indefeso”. Precisamos mudar o contexto do que significa ser humano. Quando alguém diz “eu sou humano”, deveria significar “estou em êxtase. Eu sou capaz de coisas maravilhosas dentro de mim”.

Agora que nossa sobrevivência é geralmente cuidada, acho que devemos causar uma onda de felicidade onde quer que vamos.

Nota do editor: “Mystic’s Musings” inclui mais da sabedoria de Sadhguru, enquanto ele se aprofunda no dilema de um buscador. Leia a amostra grátis [pdf] ou compre o ebook

 
 
 
 
  0 Comments
 
 
Login / to join the conversation1